“É imprescindível que seja instituído um mecanismo fiável de testagens que permita a circulação de proprietários e de trabalhadores para efeito de acesso às produções agrícolas, mediante apresentação de comprovativo de teste negativo para a covid-19”, afirmou hoje o presidente da CAP, Eduardo Oliveira e Sousa, numa conferência de imprensa sobre a situação dos trabalhadores agrícolas sazonais do concelho de Odemira, no distrito de Beja.

De acordo com a CAP, “cerca de 40% dos trabalhadores agrícolas não conseguem passar de um lado para o outro, para acudir às colheitas” o que, segundo o vice-presidente da confederação, Gonçalo Santos Andrade, levou a que, “numa semana, tenham sido desperdiçadas 1.600 toneladas de produtos [alimentares] altamente perecíveis”.

Uma situação que a CAP considera “inaceitável” e que afeta as duas freguesias do concelho de Odemira (São Teotónio e Longueira/ Almograve) que estão em cerca sanitária por causa da elevada incidência de covid-19 entre os imigrantes que trabalham na agricultura e que vivem em condições precárias.