Em comunicado, o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) refere que os 50 militares, 18 dos quais do Exército e quatro da Marinha, distribuídos por 22 patrulhas vão estar empenhados diariamente, até 30 de setembro, na vigilância das florestas e sensibilização da população, ao abrigo do protocolo Faunos.

Segundo o EMGFA, estas ações preventivas vão abranger 13 distritos de Portugal continental nos quais o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tem responsabilidade.

O Protocolo Faunos, celebrado em 2017 entre as Forças Armadas Portuguesas e o ICNF, contempla a realização de patrulhas por militares das Forças Armadas na vigilância das áreas mais sensíveis da floresta e na sensibilização da população para a necessidade de adotar comportamentos adequados à prevenção dos fogos.

Os meios de combate aos incêndios são esta quinta-feira reforçados, passando o dispositivo a estar na sua máxima capacidade, e durante a época mais critica em fogos, que se prolonga até 30 de setembro, vão estar no terreno 12.058 operacionais, 2.795 equipas, 2.656 veículos e 60 meios aéreos.