A estação, uma “cable landing station”, na designação internacional, é a primeira instalação a nascer no SinesTech, área dedicada da ZILS que pretende dar um impulso ao setor tecnológico em Sines e em Portugal.

Vindo de Fortaleza, no Brasil, o cabo da EllaLink atravessa o Atlântico, numa extensão de 10 119km, e entra em território europeu via Sines, território que se revelou estratégico para o consórcio promotor não só pela sua localização na fachada atlântica, mas também por fatores como a disponibilidade de energia e terrenos e a facilidade de ligações a centros como Madrid e Marselha.

O cabo submarino passará ainda por Cabo Verde e pela ilha da Madeira, representando um investimento de 170 milhões de euros.

A infraestrutura, denominada Ellalink, está a ser implementada no âmbito do projeto BELLA (Building European Link to Latin America), que agrega as redes de ciência europeia e sul-americana, sendo financiado pela Comissão Europeia e por fundos privados.

A capacidade de transmissão de dados que este cabo vai oferecer, 72 terabits por segundo, com baixa latência, torna-o uma grande oportunidade para Sines se tornar um polo de atração de empresas dos setores das telecomunicações e dos centros de dados.

Para o presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas, o arranque desta obra representa “o início da concretização de um projeto que, indiscutivelmente, vai qualificar o ecossistema empresarial de Sines e da região”.

Nuno Mascarenhas indica ainda que “o Brasil não tem nenhuma ligação direta à Europa, e, do ponto de vista económico, o facto de Sines ser a porta de entrada deste cabo submarino é a reafirmação da importância estratégica do concelho”.

“O porto e os clusters da energia e da petroquímica são fundamentais para Sines, mas temos de continuar a diversificar a nossa economia. O setor tecnológico, baseado em inovação e conhecimento, sem pressão ambiental, tem de ser também o futuro de Sines. Felizmente, esse futuro já não é uma miragem. Começa agora” referiu o autarca.

De acordo com a programação da EllaLink, o cabo submarino deverá começar a operar no final de 2020.